• Justiça mantém prisão de sobrinha que levou tio morto para pegar empréstimo em banco

    Após audiência de custódia nesta quinta-feira (18), A Justiça do Rio manteve a prisão de Érika de Souza Vieira Nunes, presa em flagrante suspeita de levar o cadáver do tio Paulo Roberto Braga, a uma agência bancária. Ela responde por vilipêndio de cadáver e por furto.

    Em sua decisão, a juíza Rachel Assad da Cunha definiu que a ação de Érika foi “repugnante e macabra”. A magistrada sustentou que a situação não se resume a definir o exato momento da morte, mas sim pela situação vexatória a qual o idoso estava sendo exposto. Assad questiona se, nas condições em que estava, Paulo Roberto teria como concordar com um empréstimo.Tudo a indicar que a vontade ali manifestada era exclusiva da custodiada, voltada a obter dinheiro que não lhe pertencia, mantendo, portanto, a ilicitude da conduta, ainda que o idoso estivesse vivo em parte do tempo“, escreveu a juíza.

    Em seguida, a juíza destaca que Érika afirma ser cuidadora do idoso, mas não se preocupou com seu estado de saúde na hora de levá-lo ao banco.

    Assim, caberá à instrução probatória verificar, ainda, se a própria conduta não teria contribuído ou acelerado o evento morte, por submeter o idoso a tanto esforço físico, em momento que evidentemente necessitava de repouso e cuidados“, completa ela.

    Deixe uma resposta